Blog do Victão

Valdívia com assistência de Edilson é muita crueldade. Castigo por ‘poka bola’ do Cruzeiro

Cruzeiro apenas empatou com o Avaí (Gustavo Aleixo/Cruzeiro)

Irritante.

Não tem opção melhor para descrever os jogos do Cruzeiro em apenas uma palavra. O que tem acontecido em quase todo o Campeonato Brasileiro da Série B se repetiu e nesta sexta-feira, diante do Avaí. Empate em 1 a 1 com gol catarinense nos acréscimos. Um castigo merecido para uma Raposa covarde e, mais uma vez, sem ambição de vencer, sem vontade de entrar de vez na briga pelo acesso.

Desilusão.

Sete pontos separavam o Cruzeiro do G4 antes do início da 30ª rodada. Restando 27 pontos em disputa e com os times acima patinando, o cruzeirense tinha seus motivos para seguir otimista. Agora não tem mais. O empate com o Avaí praticamente encerra o sonho celeste de retornar à Serie A em 2021, ano quem que completará 100 anos de fundação. E a situação pode ficar ainda pior. Juventude já venceu. Cuiabá, Sampaio Corrêa e Guarani têm adversários acessíveis pela frente.

Desatenção

Mais uma vez o Cruzeiro fez um jogo sem brilho. Por um bom período foi levemente superior ao Avaí. Vencia mesmo sem criar muita coisa. Quem acompanha números e estatísticas sabe que o time catarinense é forte nos últimos 15 minutos de jogo. O comentarista Léo Gomide alertou mais cedo, no programa Donos da Bola, da Band Minas. O Leão da Ilha havia marcado 11 de seus 32 tentos nos momentos finais. E não foi diferente contra o Cruzeiro. Valdívia empatou a partidas aos 48 do segundo tempo.

Arrogância

Reconhecer suas deficiências e respeitar os pontos fortes do adversário faz muito bem ao time. Quem sou eu para falar de Felipão, treinador que já ganhou Copa do Mundo, Libertadores e uma infinidade de outros troféus? Mas em certos momentos é preciso escutar um pouco mais. Patrick Brey não vive uma bom momento. Claramente está sem confiança e isso faz com que erre muito mais do que erraria em um momento de menos pressão.

O Avaí só atacou por ali, pelo lado esquerdo da defesa cruzeirense. Por volta os 30 minutos do segundo tempo o repórter Samuel Venâncio, da Rádio Itatiaia, deu a letra. No banco de reservas estava o zagueiro Paulo que é canhoto. Já que o Cruzeiro não queria mais jogar, pelo menos poderia defender com quem tem mais capacidade. Em qual lado saiu a jogada que originou o gol do Avaí?

Vilão

Edilson foi um dos protagonistas do rebaixamento do Cruzeiro em 2019. O lateral-direito foi determinante para a saída do técnico Rogério Ceni, que para muitos seria capaz de evitar a queda do Cruzeiro. Razão pela qual tem cruzeirenses que não querem ver o Edílson nem pintado de ouro. A raiva certamente ficou ainda maior nesta sexta, pois foi dele o cruzamento para o gol de empate do Leão da Ilha.

Poka bola

Valdívia apareceu muito bem no Internacional, em 2015. Depois de um começo arrasador o meia jamais conseguiu se tornar aquilo que projetava no começo de carreira. Passou sem sucesso por Atlético, São Paulo e Vasco. Ainda tem contrato com o clube gaúcho, mas sem espaço, tenta se recuperar na Série B. Seu estilo irreverente o fez ficar conhecido como ‘Poko Lindo’.

Autor do gol de empate diante do Cruzeiro, Valdívia fez a Raposa se tornar alvo de inúmeros memes, afinal o tropeço praticamente é o fim da linha na luta para retornar à elite do futebol nacional. E com razão, afinal o time celeste tem ‘poka bola’ e precisará se planejar melhor para estar de volta à Série A em 2022.

O seis pontos retirados pela Fifa, por dívida, fazem falta. Mas o Cruzeiro sente muito mais falta de um bom futebol. É ‘poka bola’.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Opinião

All Comments