Blog do Victão

Nacho e Hulk podem levar o Atlético ao título do Brasileirão. Mas ainda é preciso equilibrar o time

Hulk e Nacho são os protagonistas do Atlético em 2021 (Pedro Souza/Atlético)

O futebol brasileiro não ocupa um lugar de destaque na elite do esporte mais popular no mundo. Os jogadores mais talentosos atuam em outras terras. Com raras exceções, os clubes do país contam com jogadores novos demais, velhos demais ou que não são bons o suficiente para o mercado europeu. A questão tática também deixa as equipes brasileiras atrás. O que dá ao Brasileirão uma característica especial: a competição geralmente é vencida por quem tem uma dupla capaz de desequilibrar os jogos mais apertados.

Mais do que o conjunto, é o talento que tem feito a diferença no Brasileirão desde 2003. Desde o Cruzeiro de Alex e Aristizábal, todos os campeões têm aquela dupla que garante muitos pontos na caminhada da conquista. Rapidamente é possível lembrar de Robinho e Ricardinho, Tévez e Nilmar, Adriano e Petkovic, Conca e Fred, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart, Róger Guedes e Gabriel Jesus, Rodriguinho e Jô, além de Arrascaceta e Gabigol.

E o Atlético tem sua dupla em 2021. Nacho Fernández e Hulk são os caras que podem levar o Galo ao tão sonhado título do Campeonato Brasileiro. O argentino ficou fora dos jogos com Internacional, Chapecoense, Ceará e Santos. O camisa 26 retornou nesta quinta-feira, na goleada por 4 a 1 sobre o Atlético-GO, até então a defesa menos vazada da competição.

Não foi somente pela vitória, mas principalmente pela atuação. Na sequência citada acima o Atlético fez quatro pontos em 12 possíveis, mas com nenhuma apresentação capaz de animar o torcedor. Mas foi diferente nesta noite, no Mineirão. Nacho marcou duas vezes e Hulk deu duas assistências. O Atlético era outro time. Nem de perto parecia aquele que foi facilmente derrotado pelo Santos, quatro dias atrás.

A dupla Nacho e Hulk dá outra vida ao Atlético. Depois de se descolar dos líderes, o Galo está de volta e pode sim sonhar com o título nacional depois de 50 anos. Afinal de contas, além da dupla de craques, o elenco alvinegro está recheado de outros ótimos jogadores, como é uma marca dos campeões nacionais.

Mas nem tudo são flores

O Atlético já sabe que Nacho e Hulk vão decidir muitos jogos. A dupla tem participação direta nos gols que garantiram 12 dos 13 pontos alvinegros. Embora o Brasileirão não tenha o histórico de campeões que se destacaram pela parte tática, é necessário que Cuca consiga equilibrar o time que tem nas mãos.

Contra o Atlético-GO não foi aquela equipe que se fechou depois do primeiro gol e se contentou com o 1 a 0. Foi um time que buscou o gol o tempo todo. Ponto positivo. Mas, por outro lado, a defesa concedeu chances demais ao xará goiano. Cuca não tem a missão de montar o melhor time coletivo da competição, basta encontrar o equilíbrio que seus craques vão decidir.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
MARCELO

REVER DEVERIA JOGAR MAIS SÉRIO, POIS NÃO TEM RECUPERAÇÃO NENHUMA PRA BRINCAR DE DAR TOQUINHO PRA TRÁS O TEMPO TODO. qUANDO ERRA O PASSE É GOL NA CERTA! SE DESSE MAIS CHUTÃO SERIA BEM MAIS SEGURO.

Adriano Pereira

No Atlético além dos dois citados, tem o Arana que é acima da média. O Flamengo tem mais que uma dupla. Bruno Henrique e Pedro são acima da média e desequilibram. No Cruzeiro de 2003, além de Aristzabal e Alex, tinha outros grandes jogadores como o Deivid que fazia muitos gols e No meio do ano na saída dele o Mota assumiu o posto de matador. Tinha Edu Dracena, Mourinho em grande fase. Era um time muito bom.

Adriano Pereira

* Maurinho

Juliana

“crüzeiro é meu pau ” (Capitão Réver)