Blog do Victão

Hulk repete Robinho: está cada vez melhor e garante primeiros pontos do Atlético no Brasileiro

Hulk foi o melhor jogador do Atlético na vitória sobre o Sport (Pedro Souza/Atlético)

Robinho chegou ao Atlético depois de ficar duas temporadas na China. O ex-camisa 7 do Galo teve um começo devagar, mas deslanchou a partir de junho e terminou 2016 como o maior goleador do futebol brasileiro, com 25 tentos. O atacante levou alguns meses para se readaptar. Hulk segue os mesmos passos. Depois de um começo mais complicado, o atual camisa 7 do Atlético já tomou conta do pedaço. E isso ficou muito claro na vitória alvinegra sobre o Sport, por 1 a 0, na Ilha do Retiro, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

Hulk foi o dono da bola. Quase que literalmente. Ele fez o gol da vitória e participou de praticamente todas as jogadas ofensivas do Atlético. O atacante atleticano ditou o ritmo do segundo tempo. Acelerava quando era preciso. Parava a bola, olhava e arrancava em outros momentos. Tanto que ele irritou os adversários. Sofreu seis faltas e amarelou alguns jogadores do Sport. É bem capaz até que tenha levado a bola embora para casa.

Assim como aconteceu com Robinho, Hulk também levou algum tempo se adaptar ao jogo praticado no Brasil. Lembrando que ele ficou ainda mais tempo na China, foram quatro temporadas. E tal como Robinho, Hulk está cada vez melhor. Se nas primeiras em que foi escalado como centroavante ele se destacou muito pelos gols, agora o atacante se mostra muito mais participativo. Basta ver o tanto de vezes que ele é acionado pelos companheiros, não apenas para finalizar.

E foi no ritmo de Hulk que o Atlético conquistou os três primeiros pontos no Campeonato Brasileiro. Pela qualidade e potência física que o camisa 7 alvinegro tem, a torcida do Galo pode esperar que muitos outros pontos vão ser conquistados por ele.

A vitória poderia ser mais tranquila

Uma bola na trave, no começo do jogo, e uma furada de André que gerou pedidos de pênalti. A produção ofensiva do Sport não passou desses dois lances. Foi uma partida muito tranquila para o Atlético, com o volante Allan e os zagueiros Réver e Igor Rabello muito bem.

Mas pela fragilidade do adversário e o número de vezes que o ataque alvinegro pegou a defesa adversária no mano a mano, o triunfo por 1 a 0 foi pouco.

Como o Sport é um time bastante limitado, na defesa e também no ataque, o Atlético poderia ter forçado para conseguir o segundo gol e não correr nenhum risco nos momentos finais. Talvez a sequência de jogos seja a explicação para entregar a bola para o Sport. A parte física não pode ser deixada de lado, especialmente numa semana com partidas em Belém e Recife. Mas, pela qualidade que o Galo tem e pela diferença técnica sobre o adversário da vez, o time poderia ter feito mais do que fez.

Foi bom pelos três pontos. Porém será preciso fazer mais para brigar pelo título. A derrota para o Fortaleza, na primeira rodada, ainda está muito viva na memória do atleticano.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.