Blog do Victão

Villa Nova luta contra o seu fim. Clube pede um time emprestado ao Coimbra para poder jogar

O Villa Nova tem tem uma torcida apaixonada e presente (Reprodução/Instagram Villa Nova)

O centenário Villa Nova Atlético Clube é um dos mais tradicionais times de futebol de Minas Gerais. Mais antigo do que América e Cruzeiro, o Leão tem na sua galeria de conquistas cinco troféus do Mineiro e uma Série B do Brasileiro. Um clube que por certo momento fazia clássicos com Galo, Coelho e Raposa.

Mas isso ficou num passado distante. O Villa Nova atual está mais perto do fim do que de retomar os dias de glória. Sem o aporte anual da prefeitura de Nova Lima, que a cada temporada injetava mais de R$ 2 milhões no clube, a diretoria do Leão não tem recursos nem sequer para os custos correntes, quanto mais para montar um time de futebol.

Rebaixado no Mineiro do ano passado, o Villa Nova está no Módulo 2, equivalente à segunda divisão estadual. A competição tem início previsto para os primeiros dias de julho. Enquanto os concorrentes já se preparam, o Leão do Bonfim não sabe ainda nem se vai ter um time.

O clube esteve perto de fechar uma parceria com o Supermercado BH. Mas a negociação não avançou e o dinheiro que salvaria o Villa Nova não chegou. Uma possibilidade que surgiu nas últimas horas foi recorrer ao Coimbra, que terminou a edição 2021 do Mineiro na lanterna e estará no Módulo 2 na próxima temporada (2022).

A equipe de Contagem pertence ao bmg. Embora não tenha um calendário anual repleto de jogos, mantém seus atletas treinando, mesmo sem competições. Por isso o Villa recorreu ao Coimbra e pediu um time emprestado para poder jogar o Módulo 2.

O fato é que sem uma rápida solução o Villa pode não entrar em campo em 2021. E, se isso acontecer, sabe-se lá quando acontecerá novamente.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Notícias

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
16 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
MARCELO AUGUSTO ANDRADE DOS AN

Infelizmente, poderá estar na mesma situação que seu ex adversário tradicional o Valério de Itabira.

MARCELO AUGUSTO ANDRADE DOS AN

Infelizmente, assim aconteceu com o Valeiro de Itabira, grande adversário do Vila Nova, onde incomodou bastante os 3 grandes da capital. A tendencia são os clubes do interior acabarem, pois as Prefeituras estão evitando em colocar no seu orçamento, se não tiver um empresa para ajudar vai acabar o campeonato regional. A CBF e as Federações Estaduais estão elitizadas, não apoiam os necessitados.

Pete Corbain

Victão…pq o Atletico q tem um plantel exagerado não empresta uma serie de jogadores bons,mas q estão em segundo plano devido aos ” medalhões” ? Seria até uma oprtunidade de mante-los ativos jogando ao inves de treinando . Seria um beneficio ao Villa Nova (q merece pela historia q tem) e até ao Galo por manter os jogadores em atividade. O q acha?

Elder Jose de Alencar

Tambem acho uma otima alternativa para jogadores da base poderem mostrar seu potencial!

Pete Corbain

Verdade,Elder. è só fazer a coisa com profissionalismo,um contrato e seguro contra excessos ,irrespondabilidades ( caso haja ) p´ra proteger o patrimonio. E deixar a garotada na vitrine do Brasil.

Alex D'ates

Não que pareça desdém, mas o nível da base dos bons jogadores deve gerar interesse em outros clubes, mais estruturados.
Imagino que os jogadores para o VN, atualmente, é realmente do Coimbra pra baixo e, vá lá, um ou outro jogador de um time com maior expressão.
Realmente uma pena.

MITAIR DA MASSA

Imagina a base, do jeito legal que vinha jogando, dar um sacode no time principal. Quem sabe acordaria?

Pete Corbain

Verdade Mitair. Se o Galo não poe esses jogadores na vitrine, empresta eles p´ra pegar rodagem/minutagem. Faça um favor ao Vila (q merece..) edê a eles a condição de se mostrarem. è só emprestar ,fazer um contrato e seguro contra exageros deles,responsabilidade p´ra não comprometer o patrimonio. Simples.

Paollo Bettega

Vila merece respeito. Mas, para fazer o Vila grande de novo será preciso muita resilência e nada da negligência que caracterizou a administração do Vila ao longo dos anos. Essa negligência gerou o corte da subvenção de 2,5 milhões que a prefeitura repassava ao clube. Deu até Ministério Público. Assim fica difícil!

Titus Cam

Prefeitura não tem q repassar dinheiro pra clube de futebol. Ainda bem q essa palhaçada acabou.

Contador de Marias

Olha, Vitão, eu penso que a solução, não só do Villa, mas de todos os pequenos do estado, passa por uma alteração da forma de disputa do Mineiro. Minas é um dos maiores estados da Federação e a FMF não percebeu isso ainda. Deveria regionalizar o campeonato, realizar copas regionais, dividindo o estado em 5 regiões. Os campeões se encontrariam com os 3 da capital num octogonal final valendo o Mineiro. O Villa entraria na Copa Centro-Oeste, diminuiria os custos, mais jogadores apareceriam no cenário. É inconcebível esse calendário mineiro só porque tem de haver rebaixamento. Já era!

Sem Paciência

Não acho que a prefeitura deveria repassar R$2.000.000,00 TODO ANO ao Villa. Dinheiro PÚBLICO dos PAGADORES DE IMPOSTOS não é pra isso. Com certeza, esse dinheiro seria melhor utilizado para a população. Cadê as empresas e milionários de Nova Lima e região??? O Villa que é uma associação PARTICULAR deve se modernizar ou acabar.

joao paulo

Concordo com você, os dirigentes administram de forma equivocada e o povo que paga? Errado. Dinheiro publico nao é pra manter time de futebol

Gean Lima

Ideal seria uma parceria no estilo da Tombense ou do Bragantino-SP, e deveria partir a iniciativa de sua diretoria. Ainda que o Coimbra aceite a proposta, viver de solução paliativa não resolverá o problema.

Sérgio Salomon

ESTÁ A MUITO TEMPO EVIDENTE QUE NÃO SÓ OS DITOS GRANDES CCLUBES ESTÃIO COM DIFICULDADES- FUTEBOL EMPRESA JÁ. ESTÁ NO CONGRESSO MAS SE NÃO RESOLVER RÁPIDO O VILA SERÁ MAIS UMA VÍTIMA DO AMADORISMO DO FUTEBOL BRASILEIRO. AMADORISMO DA CBF E DAS FEDERAÇÕES.

Honneur Monção

Tenho muito orgulho de ter jogado nos juvenis do Villa Nova, na década de 1950, mesmo sendo atleticano. Nosso técnico era o Fradeco, ponta direita do time principal. Disputei partidas memoráveis contra o time “dos Ingleses”, Siderúrgica, de Sabará e contra os times da capital. Todo jogo do time principal, no Castor Cifuentes, tinha a “preliminar” dos juvenis… Nomes como Dick, Madeira, Anísio, Foquete, Nenzinho (morreu na concentração), Vaduca, Escurinho (foi para o Fluminense) ainda permanecem em minha memória…