Blog do Victão

Um dia triste para o Cruzeiro. O pior time da história celeste fracassa de novo e segue na B

Derrota para o Juventude confirmou a permanência do Cruzeiro na Série B (Igor Sales/Cruzeiro)

O Cruzeiro vai jogar a Série B do Campeonato Brasileiro pelo segundo ano consecutivo. Agora é oficial. Pelo desenrolar da competição esse já era o desfecho esperado, mas sempre existia a esperança de uma reação enquanto a matemática mostrava que era possível. Mesmo assim a tristeza não fica menor com o fato consumado.

A derrota por 1 a 0 para o Juventude deixa o Cruzeiro 11 pontos atrás do próprio time gaúcho, restando apenas três rodadas para o encerramento da Série B. E confirma que este é o pior time da centenária história cruzeirense. Em outras épocas a Raposa já teve equipes fracas, mas nenhuma que disputou a Série B e não conseguiu o acesso.

Seguir na segunda divisão não foi o único fracasso da temporada. Num ano tumultuado e cheio de turbulências, o cruzeirense praticamente não teve alegria dentro do campo. Eliminação na primeira fase do Campeonato Mineiro, queda na terceira fase da Copa do Brasil (sem vencer nenhum jogo no torneio) e agora o não acesso. E bastava ao Cruzeiro ser um pouquinho melhor.

As equipes que brigam pela quarta vaga na Série A da próxima temporada não são confiáveis e perdem pontos demais. Tanto que a linha de corte deve ser baixa do que foi em outros anos. O Juventude, que hoje ocupa a quarta colocação, é um exemplo. É um time de muita luta, muita entrega, mas de um futebol muito pobre.

E, infelizmente, o Cruzeiro de 2020 não é muito diferente. Falta futebol, falta qualidade. Não faltou entrega e nem faltou vontade. Mas apenas isso não foi o suficiente. Com 20 triunfos na temporada, a Raposa vai ter o menor número de vitórias nos últimos 50 anos.

Se vencer todas as três partidas que faltam para o encerramento da Série B, vai terminar a temporada com 23 triunfos, assim como foi em 1985, ano que menos venceu nas últimas cinco décadas. Por tudo isso é possível afirmar que o Cruzeiro de 2020 entrou para a história como o pior do clube em 100 anos. Seja pelos números, pelo desempenho dentro de campo, pelo nível de alguns atletas e pelos fracassos nas competições que disputou.

Que 2021 seja muito diferente! Mas será preciso mudar bastante para que os erros das últimas duas temporadas não sigam assombrando o torcedor. O presidente Sérgio Rodrigues e seus pares vão ter muito trabalho. Definitivamente é preciso um novo Cruzeiro, não apenas no discurso, mas na prática.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments